Categorias
Sem categoria

10 startups brasileiras que oferecem soluções para a COVID-19

Em parceria com a Associação Brasileira de Startups (ABstartups), o InovAtiva Brasil, programa de aceleração de startups do Ministério da Economia e do Sebrae, selecionou dez startups nacionais com soluções que podem ajudar a combater a disseminação do coronavírus no país e reduzir os impactos do isolamento social.

A equipe técnica do primeiro Demoday online “InovAtiva Conecta: Covid-19” escolheu os participantes do próximo ciclo de aceleração a partir de quatro eixos de atuação: tecnologias, métodos e soluções para testes rápidos; tecnologias para monitoramento de indivíduos infectados; atendimento remoto, telemedicina e telepsicologia; e promoção da saúde em quarentena. Os aprovados foram anunciados no início do mês. Saiba mais sobre as startups abaixo.

Hilab é um healthtech localizada em Curitiba (PR), que oferece serviços de exames laboratoriais remotos 24 horas para farmácias, clínicas e consultórios médicos e outros estabelecimentos de saúde. A startup criou um dispositivo para a realização de exames utilizando as metodologias de Imunocromatografia e Colorimetria. A empresa tem tecnologia para fazer análise em tempo real de exames positivos para o coronavírus, oferecendo um “mapa de calor” da Covid-19 no país.

Testfy é uma startup que oferece home collecting tests e atua para desburocratizar o processo laboratorial convencional. A empresa já oferece um leque de exames, como de intolerância alimentar, microbioma intestinal e marcadores genéticos relacionados à dermatologia e, agora, criou um kit específico para a Covid-19. Segundo os empreendedores que participaram do demoday nesta quarta, a startup tem capacidade para processar até 5 mil exames por dia.

A eLoopz é uma plataforma de Digital Visual Merchandising para gerenciamento online de campanhas de marketing no ponto de venda físico. A empresa desenvolveu uma rede colaborativa com outras duas startups e varejistas para oferecer testes gratuitos de detecção do coronavírus na modalidade drive thru em farmácias em todo o país. A ideia é viabilizar a estrutura necessária para realizar testes em massa na população, a exemplo do que foi realizado na Coreia do Sul.

A startup de exames genéticos FullDna, soma uma tecnologia única de Sequenciamento do Genoma Inteiro Humano (WGS) e um algoritmo que informa características, necessidades e suscetibilidades individuais. O sistema oferece resultados de alta precisão, em forma de painéis, incluindo diagnósticos que vão da área comportamental a relatórios de desempenho atlético. As soluções incluem um painel de suscetibilidade à contaminação às principais doenças respiratórias, incluindo o Covid-19.

A Talent Academy é uma startup de recursos humanos desenvolveu o “Radar de Apoio”. A ferramenta online permite que organizações identifiquem as principais preocupações de seus colaboradores e apresenta dicas e informações customizadas para cada um dos funcionários. A organização tem acesso às respostas consolidadas, de forma anônima. Com base nesses dados, os gestores podem tomar decisões e iniciar ações direcionadas aos temas mais importantes para sua equipe de trabalho, como saúde mental, bem-estar e resiliência.

A Carefy é uma plataforma de gestão e acompanhamento de internações domiciliares e hospitalares. O foco está na redução dos custos de internação, da média de permanência global e do auxílio na assistência do paciente. A solução da empresa reúne informações e dados sobre o fluxo de atendimento das pessoas na mesma plataforma.

ePHealth desenvolveu uma solução para a Estratégia da Saúde da Família envolvendo os Agentes Comunitários de Saúde, Enfermeiros e Médicos. A tecnologia é integrada com o e-SUS e antede tanto pequenos municípios como grandes centros urbanos.

A Dev4us oferece uma plataforma de monitoramento epidemiológico, com soluções para monitoramento da população e apoiar a tomada de decisão de gestores públicos de saúde.

A Mindify trabalha com automação de protocolos de triagem e acompanhamento residencial, assim como automação de protocolos assistenciais no ambiente hospitalar. A startup usa uma solução de Inteligência Artificial para simplificar o processo de coleta de dados clínicos e entregar melhor usabilidade, para validar dados clínicos e até para sugerir hipóteses diagnósticas e condutas. A startup oferece, atualmente, uma ferramenta de triagem de pacientes de forma gratuita.

Triágil é uma startup social de saúde que desenvolveu a solução testedocorona.com.br para triagem, orientação e monitoramento online de pacientes com suspeita de COVID-19, que pode ajudar no rastreamento da disseminação do vírus no país e acompanhamento e acolhimento dos pacientes testados. O objetivo da empresa é reduzir em até 80% o número de pacientes suspeitos de COVID-19 que não são de riscos nas emergências dos hospitais.

Leia também: Como a tecnologia do proptech pode transformar o mercado imobiliário?

Leia também: O que faz as empresas inovadoras? Conheça grandes nomes e o que as diferencia

Categorias
Sem categoria

Um panorama por Ricardo Cavallini

Com décadas de internet, não é preciso gastar saliva para defender o impacto que a tecnologia tem causado na sociedade.

A mudança e tecnológica, mas o grande impacto é cultural e de negócios. E não se trata de uma mudança pontual, mas de uma evolução contínua.

Com o avanço de tecnologias exponenciais, o impacto será ainda maior e mais rápido. Inteligência artificial, impressão 3D, Crispr, Internet das Coisas e Computadores quânticos, a curva da mudança ficará mais íngreme e irá impactar tudo a nossa volta, do comportamento humano ao ambiente de negócios em todas as indústrias e segmentos.

Ray Kurzweil, co-fundador e chanceler da Singularity University traduz bem o que isso pode significar. Segundo ele, com o avanço tecnológico exponencial, os próximos 100 anos serão equivalentes a 20 mil anos.

Com tantas mudanças, o exercício de olhar para frente e escutar quem se destaca neste exercício é inevitável. Olhar para grandes pensadores é um caminho óbvio.

O historiador e filósofo Yuval Noah Harari, tem falado muito sobre os riscos de controle governamental, aumento da desigualdade e desaparecimento dos empregos.

Já Peter Diamandis, co-fundador da Singularity University, defende a ideia de abundância, mostrando não apenas que o presente é muito melhor que o passado (menos guerras, menos fome etc.) mas também que o futuro será muito melhor do que o presente.

É natural olharmos para estas duas visões como antagônicas e ficarmos em dúvida se devemos ser pessimistas ou otimistas em nossas análises.

Porém, o que precisamos entender é que não se trata de pessimismo ou otimismo, a provocação que ambos estão fazendo é que precisamos construir o nosso futuro.

As duas provocações são pertinentes e não são visões contraditórias, precisamos urgentemente, como pessoas, profissionais, empresas, indústrias, governos e sociedade, tomar os cuidados para evitar os riscos e desafios que estão sendo impostos, mas ao mesmo tempo, investir para criar e desenvolver todas as soluções que farão do futuro, algo muito melhor que o presente.

Como diria Peter Drucker, a melhor maneira de prever o futuro, é criá-lo.

Categorias
Sem categoria

Blockchain: descentralização como ferramenta disruptiva

Ontem foi o primeiro dia de palestras da ExO World 2020, summit online organizado pela OpenExO, em parceria com a Singularity University.

Considerada uma das principais especialistas em blockchain da atualidade, Anne Connelly, faculty da Singularity University, foi um dos destaques da programação do evento.

Blockchain como ferramenta disruptiva – Grande defensora do uso do blockchain na busca por soluções de problemas globais, como refugiados impossibilitados de conseguir documentos, Connelly destacou como o uso do blockchain pode ajudar a resolver este e outros desafios.

Segundo a canadense, a remoção de intermediários viabiliza o acesso à identidade digital em blockchain, por exemplo, podendo ser estendido a qualquer pessoa, em qualquer lugar e dispositivo conectado à internet.

“Se você pensar em qualquer tipo transação, existe sempre uma instituição intermediária, seja um empresa, um governo ou algum tipo de entidade. A descentralização nos permite redesenhar a sociedade sem a necessidade de intermediários. E a tecnologia blockchain possibilita isso”, afirma.

Descentralização traz eficiência – Para Connelly, a descentralização pode tornar a relação entre bancos, governos e pessoas mais aberta e eficiente.

“Ao longo da história, as transações financeiras entre duas pessoas eram feitas com base na confiança. Isso culminou no que são hoje os ‘provedores de confiança’, tais como órgãos governamentais e os bancos. Mas apesar de ter funcionado muito bem até agora, essas instituições estão deixando de ser tão confiáveis.”

Você pode acompanhar os artigos publicados por Connelly (e suas análises sobre tecnologias exponenciais que podem resolver problemas que afetam milhões de pessoas) neste link.

Categorias
Sem categoria

Como a tecnologia ajudará a restaurar a biodiversidade da terra