Categorias
Blog

O que existe por trás da inteligência artificial e como ela ajuda os negócios?

A inteligência, elemento fundamental para a resolução de problemas de forma eficiente, fez com que o ser humano conseguisse achar alimentos, combater predadores, buscar melhores locais para se estabelecer, replicar seu DNA e popularizar todo o planeta.

Estamos num momento ápice da característica mais humana. Elementos inanimados, aos quais demos vida, começam a agir de forma autônoma. Para isso, damos o nome de inteligência artificial.

Carros e meios de transporte agora são capazes de decidir sozinhos o melhor caminho e evitar o mal que hoje cometemos por imperícia, imprudência ou negligência. E computadores que brincam sério aprendem a vencer jogos dificílimos como xadrez.

É até natural que surja um sentimento de medo a partir disso, mas a verdade é que podemos ver isso por outra lente. Essa tecnologia pode nos ajudar a responder a uma das perguntas mais difíceis da existência humana: entender quem somos nós e até onde vamos.

Mas ela também pode fazer muitas atividades do dia a dia se tornarem mais fáceis e até mesmo simplificar o ambiente corporativo. Por isso, dedicamos esse conteúdo a fazer um grande guia sobre o tema!

banner-economia-exponencial

O que é inteligência artificial?

A inteligência artificial é uma área da computação que procura criar máquinas inteligentes, capazes de realizar tarefas com a mesma inteligência ou melhor do que os seres humanos.

Isso ocorre porque, ao mimetizar a inteligência humana, elas conseguem ainda se aprimorar com base nas informações que coletam. É por isso que a IA é encarada como uma tecnologia em constante evolução também.

Como atuam de forma similar à mente humana, elas são capazes de atividades associadas a nossa inteligência, que nós conhecemos bem: analisar as variáveis, resolver problemas e tomar decisões. Ainda, com a análise de dados, faz tudo isso muito mais rapidamente.

Como surgiu a inteligência artificial?

Mas afinal, como a inteligência artificial ganhou a capacidade que tem hoje? De onde veio sua grandiosidade?

Embora o desejo de criar máquinas de mimetizar os seres humanos seja um sonho antigo da humanidade, foi a partir do século 20 que essa ideia começou a ganhar corpo. Muitos nomes estão envolvidos nessa idealizações, mas um merece destaque: Alan Turing, pai da computação.

O britânico matemático começou a conduzir experimentos que, em 1940, levou a criação de uma máquina que permitia a quebra de códigos secretos nazistas gerados por outra máquina, chamada Enigma. Tudo isso aconteceu durante a Segunda Guerra Mundial.

Passada uma década, ele ainda apresentou o Teste de Turing, que nada mais era do que maneira de analisar se um equipamento consegue se passar por um ser humano durante uma interação por escrito. É daí que vem o nome “jogo da imitação”.

O seu grande e final trabalho foi Máquina de Turing, que guardava informações em uma fita, de acordo com uma série de regras — também conhecidas como algoritmos. Essa foi a grande base para o nascimento da IA.

Depois dele, nomes como Herbert Simon, Allen Newell, Marvin Minsky, Arthur Samuel, John McCarthy também chegam a descobertas que prepararam o caminho para a automação e o raciocínio formal que existe atualmente.

A verdade é que o surgimento da inteligência artificial não se deve apenas a uma pessoa. Inclusive, o termo “Inteligência Artificial” foi cunhado em 1956 por John McCarthy, que definiu esse conceito como:

Fazer a máquina comportar-se de tal forma que seja chamada inteligente caso fosse este o comportamento de um ser humano.” Desde então, os avanços têm seguido essa direção — até mesmo superado.

Tipos de inteligência artificial

Tipos de Inteligência Artificial

Para entender melhor a inteligência artificial, nós precisamos explicar também quais são os tipos que existem.

Como ela não funciona de uma única maneira, vale apresentar o que as suas diferentes abordagens: inteligência artificial limita (ANI); inteligência artificial geral (AGI) e superinteligência (ASI). Veja as diferenças entre elas:

  • inteligência artificial limitada (ANI): inteligências artificiais que realizam tarefas específicas. Elas armazenam um grande volume de dados e, de acordo com a programação, executam ações. Seu grande destaque é fazer cálculos com muita velocidade;
  • inteligência artificial geral (AGI): inteligência que procura imitar o comportamento inteligente do ser humano. Ela sabe aplicar conhecimentos, resolver problemas e aprender, tudo isso por meio do machine learning. São as “máquinas cientes”;
  • super inteligência (ASI): inteligências artificiais que são capazes de realizar tarefas complexas. Ela é projetada para superá-la, além de se auto aprimorar e aprender outras habilidades. Essa é uma IA que ainda está em estudo.

Tecnologias por trás da IA

Considerando o quanto a IA já evoluiu, fica a dúvida: quais são as tecnologias por trás dela que sustentam?

Entre as principais, estão o machine learning, o deep learning e, ainda, o processamento de linguagem natural (PLN). É como se esses fossem os tentáculos da inteligência artificial para continuar evoluindo.

Entendendo um pouco sobre cada um deles, podemos apresentar o machine learning (ML) como a capacidade da inteligência artificial de aprender a partir dos dados armazenados. Com ele, é possível automatizar o desenvolvimento de padrões analíticos.

Já o deep learning (DL), tipo especial do ML, é baseado em redes neurais artificiais que imitam esse processo do cérebro. Com isso, ela tem uma capacidade mais profunda, pois o aprendizado ocorre entre suas camadas de neurônios matemáticos.

Por fim, o PLN é a tecnologia que entende o significado das palavras e está ligado ao funcionamento da linguagem humana. Basicamente, é ele que permite que as máquinas consigam compreender melhor os textos.

Vantagens da inteligência artificial