Categorias
Blog

O lançamento do Artemis da NASA dá início a uma nova era na exploração espacial

O voo espacial humano sofreu uma pausa significativa desde as missões revolucionárias Apollo das décadas de 1960 e 1970. Mas isso parece prestes a mudar após o lançamento bem-sucedido da missão Artemis I da NASA, um primeiro passo crucial para levar os astronautas de volta à lua.

Desde que o ônibus espacial fez sua última viagem em 2011, a NASA contou com as cápsulas russas Soyuz e, mais recentemente, com a espaçonave Crew Dragon da SpaceX, para levar seus astronautas ao espaço. E as missões tripuladas têm sido pouco ambiciosas, normalmente apenas transportando a tripulação de e para a Estação Espacial Internacional.

Mas nesta quarta-feira a agência deu um grande passo para revigorar seu programa de voos espaciais tripulados. Às 1h47, horário do leste, o Sistema de Lançamento Espacial (SLS) da NASA decolou com sucesso de Cabo Canaveral, Flórida, pela primeira vez, carregando uma espaçonave Orion não tripulada, que eventualmente levará os humanos de volta à lua e a Marte ainda neste século.

“Demorou muito para chegar aqui, mas Orion está agora a caminho da lua”, disse Jim Free, vice-administrador associado da NASA para o Exploration Systems Development Mission Directorate, em um comunicado à imprensa. “Este lançamento bem-sucedido significa que a NASA e nossos parceiros estão no caminho para explorar mais longe no espaço do que nunca, para o benefício da humanidade.”

O lançamento demorou muito. O SLS – o foguete mais poderoso já construído – inicialmente deveria estar pronto em 2017, mas sofreu anos de atrasos e bilhões de dólares em estouros de orçamento.

Mesmo depois de liberado para o lançamento, o sistema sofreu repetidos contratempos, com tentativas de lançamento em 29 de agosto e 4 de setembro canceladas devido a um sensor de temperatura com defeito e vazamento de hidrogênio líquido, respectivamente. O lançamento de quarta-feira também teve que lidar com alguns empecilhos de última hora, com as tripulações tendo que consertar uma válvula com vazamento e um comutador de Ethernet com defeito horas antes da decolagem.

Por fim, tudo correu conforme o planejado, com o SLS elevando com sucesso a cápsula Orion a uma altitude de cerca de 2.500 milhas antes de se separar e cair de volta à Terra. A espaçonave não tripulada agora viajará 40.000 milhas além da lua e retornará à Terra nos próximos 25 dias, dando à NASA a chance de avaliar o desempenho de seus sistemas antes de transportar os astronautas.

Um dos testes mais cruciais será ver como o escudo térmico do veículo resiste a temperaturas de até 5.000 graus Fahrenheit ao reentrar na atmosfera da Terra. Ele também transportará vários manequins carregados com sensores projetados para medir as forças e a radiação a que os astronautas humanos serão expostos a bordo.

Supondo que tudo corra conforme o planejado, a missão preparará o terreno para o Artemis II, que levará uma tripulação humana ao redor da lua sem pousar em 2024, de acordo com os cronogramas atuais. Isso será seguido em 2025 por Artemis III, que levará a primeira mulher e a primeira pessoa de cor na lua.

Essa terceira missão dependerá de mais do que apenas a NASA. A agência espacial contratou a SpaceX para criar uma versão modificada da espaçonave Starship que está desenvolvendo atualmente para atuar como um módulo de pouso. Uma tripulação de quatro astronautas voará para a lua a bordo do Orion, mas dois serão transferidos para o chamado “Sistema de Aterrissagem Humana” em órbita antes de descer à superfície.

Até então, a NASA também espera ter uma pequena estação espacial chamada Lunar Gateway orbitando a lua. O plano é que ambas as espaçonaves se encaixem na estação durante a transferência da tripulação, embora também seja possível que as duas se encaixem diretamente caso o Gateway não esteja pronto a tempo. De qualquer forma, é provável que a estação desempenhe um papel importante para futuras missões, como uma escala para os astronautas que se dirigem à superfície lunar e, eventualmente, como um ponto de parada para viagens a Marte.

Ainda há pontos de interrogação sobre se a NASA pode realmente cumprir suas ambiciosas metas de retorno à lua, com seu cão de guarda recentemente dizendo aos legisladores que atrasos no desenvolvimento de sistemas-chave significam que o Artemis III será realmente lançado até 2026, no mínimo. E as missões a Marte provavelmente não estarão nos planos até pelo menos o final da década de 2030, de acordo com o administrador da NASA, Bill Nelson.

Mas o lançamento do Artemis I é, no entanto, um marco significativo na exploração espacial e marca o início de uma nova e emocionante era de voos espaciais tripulados que pode nos levar mais longe no sistema solar do que nunca.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.