Categorias
Blog

Cientistas estudaram a camada de gelo da Antártida por mais de 10.000 anos. Suas descobertas trazem insights para o futuro

Histórias alarmantes da Antártida são agora mais frequentes do que nunca; a superfície do gelo está derretendo, as plataformas de gelo flutuantes estão entrando em colapso e as geleiras estão fluindo mais rápido para o oceano.

A Antártida será a maior fonte de aumento futuro do nível do mar. No entanto, os cientistas não sabem exatamente como esse derretimento se desenrolará à medida que o clima aquecer.

Nossa pesquisa mais recente analisa como a camada de gelo da Antártida avançou e recuou nos últimos 10.000 anos. Ele contém avisos severos e possivelmente alguma esperança para o futuro.

O desequilíbrio atual
A futura elevação do nível do mar apresenta um dos desafios mais significativos das mudanças climáticas, com impactos econômicos, ambientais e sociais esperados para as comunidades costeiras em todo o mundo.

Embora pareça uma questão distante, as mudanças na Antártida podem em breve ser sentidas à nossa porta, na forma de aumento do nível do mar.

A Antártida abriga a maior massa de gelo do mundo: a camada de gelo da Antártida. Este corpo de gelo glaciar tem vários quilômetros de espessura, aninhado no topo de terra firme. Abrange cadeias de montanhas inteiras abaixo dela.

A camada de gelo “flui” sobre a terra do interior da Antártida e em direção ao oceano circundante. Como um todo, permanece uma massa sólida, mas sua forma se deforma lentamente à medida que os cristais de gelo se movem.

Enquanto o manto de gelo flui para fora, a queda de neve de cima o reabastece. Este ciclo deve manter o sistema em equilíbrio, em que o equilíbrio é alcançado quando a camada de gelo está ganhando a mesma quantidade de gelo que está perdendo para o oceano a cada ano.

No entanto, satélites vigiando de cima mostram que a camada de gelo não está em equilíbrio. Nos últimos 40 anos, perdeu mais gelo do que ganhou. O resultado foi o aumento global do nível do mar.

Mas essas observações históricas abrangem apenas quatro décadas, limitando nossa compreensão de como a camada de gelo responde às mudanças climáticas por períodos muito mais longos.

Queríamos olhar mais para trás no tempo – antes dos satélites – e mesmo antes dos primeiros exploradores polares. Para isso, precisávamos de arquivos naturais.

Desenterrando o passado da Antártida
Reunimos vários arquivos naturais para descobrir como a camada de gelo da Antártida mudou nos últimos 10.000 anos. Estes incluíram:

  • núcleos de gelo coletados do interior remoto da Antártida, que podem nos mostrar como a neve se acumulou no passado
  • rochas coletadas de picos de montanhas expostas, que revelam como a camada de gelo engrossou ou afinou com o tempo
  • núcleos de sedimentos coletados do fundo do mar, que revelam como a margem do manto de gelo – onde a borda do gelo terrestre encontra o oceano – avançou ou recuou
  • lama do lago e praias antigas, que revelam como o litoral mudou em resposta ao crescimento ou diminuição da camada de gelo

Quando começamos nossa pesquisa, eu não tinha certeza do que esperar. Afinal, esse período de tempo foi considerado bastante monótono, com apenas pequenas mudanças na margem de gelo.

No entanto, estudamos os diversos arquivos naturais um por um. O trabalho parecia um quebra-cabeça de 1.000 peças, cheio de peças de formato irregular e aparentemente sem borda reta. Mas uma vez que os juntamos, as peças se alinharam e a imagem ficou clara.

O mais impressionante foi um período de perda de gelo que ocorreu em todas as regiões da Antártida cerca de 10.000 a 5.000 anos atrás. Isso resultou em muitos metros de aumento do nível do mar globalmente.

Em algumas regiões da Antártida, no entanto, essa perda de gelo foi seguida por um ganho de gelo durante os últimos 5.000 anos – e uma queda do nível do mar global correspondente – à medida que a margem do manto de gelo avançou para onde está hoje.

Um aviso
Compreender como e por que a camada de gelo da Antártida mudou dessa maneira oferece lições para o futuro.

A primeira lição é mais um aviso. O período de perda de gelo de 10.000 a 5.000 anos atrás foi rápido, ocorrendo em uma taxa semelhante às partes mais dramáticas da camada de gelo da Antártida hoje.

Achamos que provavelmente foi o resultado da água quente do oceano derretendo a parte inferior das plataformas de gelo flutuantes – algo que também aconteceu nas últimas décadas. Essas plataformas de gelo retêm o gelo em terra, então, uma vez removidas, o gelo na terra flui mais rápido para o oceano.

No futuro, prevê-se que a perda de gelo acelere à medida que a camada de gelo recua para bacias abaixo do nível do mar. Isso pode já estar em andamento em algumas regiões da Antártida. E com base no que aconteceu no passado, a perda de gelo resultante pode persistir por séculos.

Saltando para trás
A segunda lição de nosso trabalho pode trazer alguma esperança. Cerca de 5.000 anos atrás, a margem do manto de gelo parou de recuar na maioria dos locais e, em algumas regiões, começou a avançar. Uma explicação para isso está relacionada ao período anterior de perda de gelo.

Antes que o gelo começasse a derreter, a camada de gelo da Antártida era muito mais pesada e seu peso era empurrado para a crosta da Terra (que fica no topo de um interior derretido). À medida que a camada de gelo derretia e se tornava mais leve, a terra abaixo dela teria se levantado – efetivamente puxando o gelo para fora do oceano.

Outra explicação possível é a mudança climática. Na orla costeira da Antártida, o oceano pode ter mudado temporariamente de águas mais quentes para mais frias na época em que a camada de gelo começou a avançar novamente. Ao mesmo tempo, mais nevascas ocorreram no topo da camada de gelo.

Nossa pesquisa apóia a ideia de que a camada de gelo da Antártida está prestes a perder mais gelo e aumentar o nível do mar, principalmente se o oceano continuar a aquecer.

Também sugere que a elevação da terra e o aumento da queda de neve têm o potencial de retardar ou compensar a perda de gelo. No entanto, este efeito não é certo.

O passado nunca pode ser um teste perfeito para o futuro. E considerando que o planeta está se aquecendo mais rápido agora do que naquela época, devemos ser cautelosos.

Este artigo é republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.